Tuesday, April 12, 2016

Mariah Dá Entrevista ao Portal Die Welt


     Mariah Carey tem sido uma das veteranas bem sucedida em nosso século. Ela teve mais hits do que Elvis Presley e cantou para Obama, recentemente se encontra em Las Vegas. Uma conversa sobre sua carreira, desde aparência feia a tons altos na voz.

     Mariah concedeu entrevista por telefone a nossa equipe, constantemente tocava em algum lugar ao redor dela um telefone. Ela dizia:”Alguém pode por favor parar com isso?”, manda Mariah Carey. Ela pede desculpas, sem ofensa, ela quer levar essa entrevista por telefone sozinha e calmamente. Mas seus funcionários, não conseguem parar o toque do bipe. Você pode ouvir como Carey está ficando impaciente, falando, mas mesmo com esse contratempo sendo educada e elegante.

     Com 46 anos de idade, com uma fortuna estimada em $ 520.000.000 uma das cantoras mais ricas do mundo, tem sido 26 anos de carreira. Ela tem todos os altos e baixos: recorde de vendas, dois divórcios, colapsos nervosos, rumores de suicídio, demitidos pela gravadora e voltou dando para o topo das paradas. A rainha do glamour. Como o colega da revista que escreveu depois de um encontro, Mariah Carey ver “braquial sexy”

Die Welt: Onde você está sempre tem muito brilho, glamour e luxo. Podemos falar de um lado diferente de Mariah Carey?

Mariah Carey: O que você quer falar?

Die Welt: O seu nua e crua. Além de ser cantora você trabalhou como atriz em vários filmes independentes. No premiado “Precious” como uma assistente social que se preocupa com uma garota que é abusada e por seu pai infectada pelo HIV. É verdade que o diretor Lee Daniels teve que te descaracterizar: Sem maquiagem, sem comitiva, nenhum diva postura no set?

Carey: Sim. Ele só queria ver a atriz em mim. Eu já havia tocado em outro filme independente, no thriller Mafia “Wisegirls”. Lee tinha me visto no filme e, em seguida, me encorajou, mas para trabalhar mais do que uma atriz. E para seu filme, ele tinha uma ideia muito específica do que eu deveria representar.

Die Welt: Sem Diva e o decotado vestido de brilho?

Carey: Ele queria que o público me olhasse como completamente diferente. E assim ele foi muito, muito rigoroso comigo o que todas essas coisas em questão, você tem um rosto tão bonito.

Die Welt: Foi difícil deixá-lo ser Einnorden?

Carey: Não, não em todos. Fico feliz que ele deu certo.

Die Welt : Você é fiel neste filme, quase irreconhecível. Foi uma boa experiência, completamente imperceptível para ser feia no papel?

Carey: Foi incrível me olhar feia. Um pouco de maquiagem Eu estava no entanto já – com a borda dos olhos vermelhos e cabelo facial. Muitas pessoas têm se aproximou de mim sobre ele: “Você parece tão feia neste filme.” Esse foi o maior elogio para mim. Eu adorei. Eu confiei o diretor completamente. Ele me desmontou em um sentido. Às vezes, ele também me deixou louca, Estou muito contente que o público e os críticos têm este filme tão apreciado como elogio.

Die Welt: Diz-se que o diretor teve durante a gravação duas vezes problemas financeiro. Você deu em seguida, em sua casa em concertos privados para os investidores. Bela iniciativa.

Carey: Bem, eu não fiz isso, cantado em minha casa para esse procedimento.

Die Welt: no “New York Times Magazine” disse.

Carey: Eu não sei onde este rumor veio.

Die Welt: E você fez isso a fim salvar o filme?

Carey: Vamos dizer o seguinte: eu estava para Lee lá quando ele precisava de ajuda. Somos bons amigos e nos apoiamos em muitas maneiras. Lee fez muito por mim neste filme, Fiquei muito feliz, sou muito grato a ele. No festival de cinema em Cannes, o filme foi dada quinze minutos ovação de pé. Isso foi extraordinário.

Die Welt: Suponha que eu seria seu agente e gostaria de propor um projeto de filme – um remake de “Thelma e Louise”. Diretor: Woody Allen, Quentin Tarantino ou Wim Wenders. Quem seria o seu favorito?

Carey: Meu Deus! Difícil. Eu sou uma grande fã de Woody Allen, “Bullets Over Broadway” é um dos meus filmes favoritos. Mas para um remake de “Thelma e Louise” Eu preferiria Quentin Tarantino. Com ele, eu adoraria fazer um filme. Eu amo “Inglourious Basterds”.

Die Welt: Sua colega Jennifer Lopez conseguiu ser uma dos poucas a ser uma atriz igualmente bem sucedida como cantora. você quer alcançar isso também?

Carey: Sim, logo após o fim das filmagens de “Precious” estava grávida dos gêmeos. E quando eu tinha dois bebês em casa, não havia tempo para mais filmagens. Embora eu recebi muitas ofertas para outros filmes, mas tinha que continuar dizendo: “Desculpe, mas eu estou com os gêmeos.” Eu não podia encarar o próximo projeto cinematográfico.

Die Welt: Em maio 2015 este iniciou cinquenta concertos no “Casear Palace” em Las Vegas. Isto é assim como o lugar de descanso final para estrelas mais velhas que não têm nenhum desejo de tours. Por que para você, além do dinheiro ?

Carey: Há uma série de shows em um só lugar, isso é certo. Mas o público em Las Vegas é simplesmente ótimo. As pessoas vêm de todo o mundo vão lá para me ver cantar. Muito emocionante. Algo diferente.

Die Welt: Agora você tem a maratona concerto em Las Vegas sendo interrompida para dar concertos na Europa após 13 anos de pausa. Porque você demorou tanto?

Carey: Eu não tenho pensamentos de fazer tours constantemente, É algo grande, eu sempre tenho que viajar para diferentes países, mercados diferentes – é difícil, todos juntos. Estas são as circunstâncias externas. Mas eu estava ansioso para cantar novamente para os fãs na Europa. Após a tour da Europa eu volto para Las Vegas e finalizo minha série de concertos desse ano. Eu não canto o mesmo show exato como Las Vegas na Europa.

Die Welt: O que é diferente?

Carey: Nos EUA, eu canto os #18 hits números um americanos. Na Europa, eu canto músicas que foram sucesso internacional – que não são o mesmo que atinge os EUA.

Die Welt: você vendeu nos EUA mais hits do que Elvis, tem mais de 200 milhões de álbuns. Estes são êxitos alcançados dificilmente por um artista. Se você inicias de hoje como um jovem cantora com uma canção como “Vision of Love” – que seria entre Spotify e Cas-ting programas como “American Idol” você faria sucesso como há 26 anos?

Carey: Eu penso sobre isso eu não preciso me preocupar-se.

Die Welt: Colegas como Taylor Swift têm negado executar com serviços de streaming de Spotify e Apple, porque eles pagam artistas sua opinião muito ruim. Não te incomoda?

Carey: Não é que, portanto, eu estava preocupada. Nós agora temos uma outra situação, a tecnologia digital mudou tudo. Todo mundo tem que lidar com isso. Isto já não é comparável aos tempos quando eu comecei. As pessoas não vão hoje mais em uma loja de discos. Hoje existem quase se não lojas de discos.

Die Welt: Agora você está há mais de 26 anos no negócio. Enquanto isso, muitos concorrentes mais jovens estão percorrendo o sucesso em todo o mundo. Eles são chamados de Beyoncé, Rihanna, Adele ou Taylor Swift. Agravou-se para a atenção e as vendas para você?

Carey: Não, hoje sou bastante descontraída sobre isso. Eu acho que existem espaço suficiente para todos. Estou feliz por qualquer pessoa que tenha sucesso.

Die Welt: Eles estão misturando ritmos tradicionais como , rhythm’n’blues e POP com Hip-Hop combinados. Hoje, muitas pessoas fazem isso. Nos anos noventa, eles tinham isso como algo não esperado, especialmente não por um cantor que de baladas.

Carey: Bem, eu mesmo não via isso, agora sim. Mas eu me lembro muito bem que muitos não entendia em mim quando eu comecei pela primeira vez a trabalhar com artistas de hip-hop. Depois essas músicas em seguida, foram muito bem sucedidas, Hoje isso não é copiar. Então, isso é apenas este influência. Isso em nada me irrita.

Die Welt: O “New York Times” escreveu uma vez, você teria trazido com a sua voz algo “sobre-humano” no mundo da música e também outra maneira de estilo Soul-Pop. Você sente hoje particularmente sobre pressão de ter de continuar a satisfazer no palco este notas altas sobre-humanos?

Carey: Quando estou no palco, eu estou totalmente focada neste momento – a música e meu desempenho. Em um momento eu estou em expectativas não há pensamentos. Cantar me faz ainda muita feliz, isso me faz orgulhosa.


Die Welt: Mas voz desgasta. Paul McCartney foi perguntado como para ele é cantar sobre a idade e de setenta músicas como “Helter Skelter”, na qual ele repetidamente tem que gritar seus pulmões para fora.

Carey: Eu sei McCartney ainda é tudo o que tem. O que ele disse para você?

Die Welt: Ele disse que não se prepara realmente para o momento. É uma mistura de instinto e experiência. No palco ele se empolga. Como você faz isso com a sua voz de cinco oitavas?

Carey: Eu tento o máximo possível dormir. E no dia antes do show eu falo tão pouco quanto possível. Caso contrário, eu acho que como McCartney: Melhor não pensar grande, você só tem que torná-lo fácil. Basta fazê-lo!

Die Welt: Alguma vez você já se perguntou como sua vida teria sido se não tivesse se tornado cantora POP, mas cantora de ópera como sua mãe?

Carey: Ótima pergunta, Mais interessante. Eu não acho que eu não teria sido capaz de cantar ópera. Eu não poderia fazer isso.

Die Welt: Por que não?

Carey: Porque você tem que ser extremamente disciplinado como um cantor de ópera.

Die Welt: Você não é?

Carey: Sim, mas é sobre outra coisa. Na ópera você tem que cantar com precisão a forma como foram escritas as pontuações. Isso me faria contrariar demais. Eu prefiro-o a escrever minhas próprias músicas e cantar. Mas eu tenho muito grande respeito por cantores de ópera, eles são os cantores mais extraordinários. Só que, como eu disse: Isso não seria nada legal para mim.

Die Welt: O que você aprendeu como uma cantora como sua mãe?

Carey: Infinitamente. Ela foi a pessoa que me apresentou a música – desde quando eu era muito jovem.

Die Welt: Seu pai afro Latino, sua mãe irlandesa. Uma família multicultural encontraram-se na área de Nova York, onde você cresceu, submetidas a abuso racial. Para alguns, você não era branca, para os outros não negra o suficiente, você disse uma vez. A música era para uma maneira de sair dessa turbulência?

Carey: Música teve um grande apelo para mim. Música e minha mãe, que me dizia: “Você tem que acreditar em você!” Isso foi muito importante, por isso, tenho como eles base na minha vida. Se você mesmo não acredita que você pode fazer alguma coisa – então você não fazê-lo.

Die Welt: Em 2009 cantou na primeira posse de Barack Obama.

Carey: Sim, absolutamente inesquecível esse momento. Eu nunca vou esquecer como eu cantava naquele dia “Hero”. Dois anos depois eu cantei em seguida, durante o Natal na Casa Branca – e lá estava mais nervosa do que na posse.

Die Welt: Por quê?

Carey: Porque eu cantei, não só para o Presidente dos Estados Unidos, eu cantei com Aretha Franklin. Eu estava muito nervosa. E eu quero dizer muito, muito nervosa mesmo. De qualquer maneira, Obama permanecerá uma lenda para mim. Sempre. Não importa o que seus críticos retrospectivamente pode dizer sobre ele.

Créditos da tradução: Francieli Souza